21 agosto, 2017

INSÔNIA

Por:
Vladimir Távora Fontoura Cruz
Regional CEARÁ




















Ah, que pena meu amor ter-te tão perto
E não poder afagar teu corpo inteiro
Nas tuas curvas trilhar o rumo certo
Desvendar febril teus íntimos segredos.

Quando em tantas noites frias e chuvosas
Invade-me, a vontade do aconchego
Desperdiças tontas horas preguiçosas
Lânguido, inda procuro e não te vejo

Ah, que pena meu amor a indiferença
Com que encaras a volúpia do amor
Vendaval intrépido da bem querença
Consome o sono, a paz do sofredor

Como dormir sentindo a chama ardente
Que toma conta de todo o meu ser
Me afasto, e carregando a dor premente
Te busco nas estrelas até amanhecer

Ah, que pena meu amor fechar os olhos
Tão logo deitas na alcova em flor
Arremessando aos rochedos e abrolhos
Meu desejo insano de fazer amor

E que pena, eu também às vezes sinto
Teu amor ser para mim um talismã
ao te olhar à noite não pressinto
És minha mulher, ou apenas minh'irmã.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...